Deise Larangeira


   
  Fictício
Brincando com o tempo
  .................................................................................................................................................................
 
 

Bia Carvalho
   
 

O Náufrago
Pleonasmos

Almas Gêmeas
Sem título 01
Sem título 02
Sem título 03
Sem título 04
A rosa Azul
Momento de Reflexão
Sem título 07
Para os meus verdadeiros amigos
 Pensando alto
Amo louca e apaixonadamente
Acordando
Chuva de lágrimas
Eu quero
É hora
Manhã de Outono
Sem título, sem nada
Meu perfil
Samba Brasil
Medo
Amigo é algo valioso na vida da gente
Natal
Nova vida
Transformação
Eu me desperço da vida
Ser adolescente
O poeta se cala

Sem preconceito
Benção da mãe
Quando a natureza fala mais alto
A net ajudando a quem precisa
Sem título 08
Sem título 09
Mudanças
Eu vi
Meu pai
Desalento
Parodoxo
Contagem regressiva
Muitos viram e ouviram
Amigo?
Hoje eu fui testemunha de uma cena triste
Saudade
Conto fantástico
Alucinação
Paz

Os Olhos vêem
Por mais estranho que pareça
Por que ama e chora com a alma

Quando a ausência é inevitável
Quando almejamos alcançar o mundo

Quando chega o Natal

Quando o coração se aquieta

Sempre em forma de modelação
Sou Eu
Sou uma lágrima escondida
Sua alma cigana
Tenho uma solidão em mim
Tu me fazes em pedaços
Vivi um tempo
Vivo em um mundo perverso e triste
Ano Novo

Busca
Capacidade de Amar
Como num conto de Fadas
Controle
É Natal

Ficar
Foi Assim
Insolúvel
Lingua Mãe

Luta
Meu Paulo

Eu cigana de mim mesma
Uma Fábula
Um novo Dia
Sal, Sol, Céu Mar
Sábado de Aleluia
Protótipo
Passando o Tempo
Novelos de Lã
No Telejornal
No Bar
Nathália
Não gosto do céu embaçado
Ao som do atabaque no peito
Aprendi a ter cuidado com o sol
Atrás do fantasma
Canto um canto diferente
Chega marcando passos
Corrói novamente o coração
Um tempinho antes do nosso aniversário
Embalados
Eu resisto até que o sono não acorde em mim
Finge não perceber

Hoje eu beijava seus olhos com carinho
Meu pensamento vai ao encontro do seu
Não palavras sim
Não se preocupe
O amor não tem limites
O corpo sofrera abalos
Olha
  .................................................................................................................................................................
 


Sérgio Santos Lopes
   
  Amores, momentos e sentimentos
  .................................................................................................................................................................
 

Eduardo Larangeira
   
  O Criador
Como dói viver
  .................................................................................................................................................................
 



Leonardo Porto

   
  Luisa
  .................................................................................................................................................................
 

Salgado Maranhão
   
  Farda
  .................................................................................................................................................................
 

Matheus Bizarria
   
  Poema
A Praça
Escrevo como quero
  .................................................................................................................................................................
 

Sayonara Salvioli
   
  Águas Benditas
Ouro
Palavras
A Mulher dos Pombos
  .................................................................................................................................................................
 

Priscila Assumpção
   
  Cortava-se no vento
  .................................................................................................................................................................
 

Débora nascimento
   
  Ser ou não Ser
   
Emir Larangeira - Direitos Reservados do Autor - 2007/ 2008